Um Brasil dividido

Espera-se que nenhum partido grande (PT, PMDB, PSDB, PSB, PP) forme bancadas com mais de 62 membros.

O Brasil acordou nas cidades acima de 500 mil habitantes desde a Copa das Confederações. As classes médias tomaram consciência de seus direitos, da carestia dos bens e serviços comercializáveis no país, comparando os preços dos Estados Unidos, do custo de vida em elevação, da carga tributária e da onerosidade do crédito, e passaram a temer o desemprego, deu de atrasar os pagamentos e tomaram ojeriza da corrupção generalizada e da insegurança em face do crime.

Sei que escrevo para uma minoria, a parte mais consciente da sociedade, a que lê, pensa, compara e verifica a diferença entre um PSDB mais chegado à racionalidade econômica, à ética e à modernidade e os partidos anódinos, aproveitadores da coisa pública e, entre a ganância do PT, alimentado por uma esquerda caviar (e burra), combatido, à sua vez, por uma direita estúpida, especialmente em certos meios universitários. Nós somos, quando muito, 20% do eleitorado. Dez por cento do colégio eleitoral se divide entre os totalmente alheios e os absolutamente descrentes de quaisquer políticos e eleições. Os 70% restantes se repartem entre os fanáticos, os alienados, os famélicos e sócios-dependentes dos programas demagógicos do PT, PMDB, PP e os persistentes votantes, uns crentes, outros nem tanto, de uma terceira via – ainda não explicada – ora simbolizada pela figura messiânica de Marina, judiada por Dilma, se assemelhando a uma sádica com o chicote na mão.

Espera-se que nenhum partido grande forme bancadas com mais de 62 membros.

Com o rumo das eleições, é esperado que nenhum partido grande (PT, PMDB, PSDB, PSB, PP) forme bancadas com mais de 62 membros. / Foto: Christoph Diewald

No plano das eleições estaduais, o PT ganhará o Executivo de uns poucos e insignificantes estados da Federação. No plano Legislativo federal, segundo o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), haverá uma imensa dispersão entre as legendas, sejam grandes, sejam pequenas, em razão da segmentação por interesses específicos nos municípios e cidades maiores, onde os cabos eleitorais atuam e formam o Poder Legislativo federal. Em suma, a vontade nacional, ao contrário do que ocorre nos EUA e Europa, não é capitaneada pelos partidos nacionalmente. Aqui o mandonismo local forma os representantes do povo. As siglas partidárias são como que legendas de aluguel ou compartimentos para acomodar as desavenças provincianas dos políticos do lugar. Valem nomes e trocas, e não partidos e ideias.

Pois bem, segundo o Diap, essa fragmentação atingirá seu clímax nas eleições de 2014. Espera-se que nenhum partido grande (PT, PMDB, PSDB, PSB, PP) forme bancadas com mais de 62 membros. O restante estaria disperso noutras siglas médias e pequenas como PDT, DEM, PSD, PTB, et caterva, o que vai complicar a governabilidade. As alianças não se fariam em torno de ideias ou programas, mas de cargos e verbas, regulares e irregulares. As eleições viraram uma grandiosa feira de oportunidades negociais, mormente se o PT, isolado, continuar no poder em Brasília. E bem pode ocorrer essa catástrofe temida mundo afora, afugentando investimentos, tanto que a morna recuperação dilmista, ex-brizolista, fez a bolsa de valores tombar e o dólar subir, reverberando o pavor que o mundo teve de Lula (e agora vê que tinha razão). Bastaram Marina e Aécio reagirem para a bolsa subir e o dólar cair.

Os grandes tribunos do passado não estão nessas eleições para desmentir as mentiras de dona Dilma, homens como Brizola, Carlos Lacerda, Antônio Carlos Magalhães e outros. Faltou Aécio, um político elegante, a língua afiada dos políticos do passado. Como não lhe jogar na cara o botar na conta do Planalto R$ 2,8 mil por semana para pentear seu cabelo? Como não verberar sua aliança com o crime; aumento maior do salário-reclusão do que a outros benefícios pagos aos honestos? Como não lhe enfiar goela abaixo os aumentos na conta de energia de sua política maluca no setor energético, punindo os mais pobres? A lista é enorme e a deixaria sem fala ou atrapalhada, para, por exemplo, explicar o Porto de Mariel presenteado a Cuba. E o banquete para 120 pessoas no melhor hotel de Lisboa? É de se pedir a prova de que pagaram do próprio bolso. Sua cara viria torta para o vídeo, pois quem pagou foi mesmo o Tesouro. O povo merecia vê-la desmascarada.

Dos nove ministros que demitiu, nenhum foi punido. Ela nunca sabe de nada, como Lula e Zé Dirceu. Erenice, sua amiguinha íntima, era ladra contumaz. Nunca tanta empáfia, a ponto de xingar os íntimos com os nomes mais chulos da língua, seria tão facilmente jogada ao chão. Mas quem disse que um gentleman como o Aécio ou uma pastora como Marina têm talentos desconstrutivos de más reputações, de lobos em pele de cordeiro? Eles é que são caninos com suas afiadas presas. Por qual razão não reproduzir seu discurso comunista no Fórum de São Paulo e a sua imagem alisando a cabeça de Fidel Castro?

Seja lá como for, a sociedade finalmente se dividiu. No segundo turno, o povo vai certamente apeá-la do poder. Vai para os seus pagos no Sul, bem distante do resto do Brasil. Desejo-lhe uma vida saudável junto à sua família e ao netinho.

Faça seu comentário

%d blogueiros gostam disto: